Processador ARM A53

O Cortex A53 é o caçula da família. Como a numeração sugere, ele é um processador de baixo custo e baixo consumo, destinado a substituir os chips ARM9 e ARM11 nos dispositivos mais simples. Ele pode abrir as portas para a criação de smartphones de baixo custo ou de aparelhos com uma autonomia muito maior, além de ser uma opção ao uso do Cortex A8 e A9 em smartbooks e players de mídia low-end.

Do ponto de vista da arquitetura, ele é basicamente uma versão reduzida do Cortex A8, que mantém o mesmo conjunto de instruções, mas adota uma arquitetura mais simples, baseada em uma única unidade de processamento (single-issue), com um pipeline muito mais curto, de apenas 8 estágios. Essa mudança faz com que ele não seja capaz de atingir frequências de clock tão altas, mas em compensação seja muito menor e ofereça um consumo elétrico por ciclo muito mais baixo.

 

7bbba1e4

O Cortex A53 mantém o cache L1 de 64 KB (dois blocos de 32 KB para dados e instruções), mas abandona o uso do cache L2, já que o ganho de desempenho não compensaria o aumento no tamanho do chip. Por ser um processador single-issue e com um pipeline curto, o Cortex A5 não é tão dependente do cache quanto os dois irmãos mais velhos e a ideia central da arquitetura é justamente manter a simplicidade. Vale lembrar que os processadores ARM9 e ARM11 também não utilizam cache L2 e isso não compromete o desempenho.

Além de ser produzido em versões single-core, o A5 suporta também o uso de 2, 3 ou 4 núcleos (a escolha fica por conta do fabricante), o que o torna uma forte opção de processador multicore para smartphones, já que é menor e mais econômico que o Cortex A9.

Produzido usando uma técnica de 40 nm, cada Cortex A5 ocupa uma área de apenas 0.9 mm² (incluindo os 64 KB de cache L1), o que é menos de 4% do tamanho do Atom de 45 nm (com seus 25 mm²). Mesmo uma versão quad-core do A5 ocuparia apenas 6 mm² (incluindo os circuitos de apoio adicionais), o que seria ainda apenas um quarto da área do Atom. Uma área menor significa processadores mais baratos e mais espaço para incluir aceleradores e outros componentes diversos, resultando em SOCs mais completos.